sábado, 19 de maio de 2018

TRANSPORTE DE CONTAINERS EM SANTOS - TERMINAIS DE CONTAINERES VAZIOS

No porto de Santos, segundo a CODESP (Companhia Docas do Estado de São Paulo), existem 55 terminais marítimos e retroportuários. Dentre eles, estão os terminais de vazios, ou depots, como também são conhecidos.
Os terminais de vazios são os responsáveis por receber e armazenar, com a autorização do armador (dono do navio), o container, que lhes é entregue pela transportadora após a finalização de um processo de importação.
Como já falado no artigo Devolução de Containers Vazios, o local de devolução da unidade vazia é designado de acordo com as instruções passadas pelo armador à transportadora e depot. No que envolve o porto de Santos, as cidades para as quais os containers são redirecionados são: Santos, Guarujá, Cubatão, São Vicente e Praia Grande.
Na maioria dos casos, a devolução é designada para os terminais de Santos, pois é onde se concentram a maioria dos depots. No entanto, a devolução pode ser realizada nas outras cidades, incidindo alguns custos adicionais, sejam eles por conta da distância em relação à cidade de Santos, sejam pela incidência de pedágios no trajeto até o depot. Como exemplo, podemos citar as devoluções no Guarujá, nas quais o veículo precisa deslocar-se um adicional de 70 km, além de passar por uma praça de pedágio.
Dentre os principais depots de containers vazios, podemos citar:
Terminais de Containers em Santos: Atlantis, Libra Depot, Dínamo, Fassina Alemoa, Depotrans, MDlog, Transtec World, Hipercon, TCA, dentre outros.
Terminais de Containers no Guarujá: A segunda cidade que mais recebe devolução de containeres vazios. Lá é onde estão situados os terminais da Conlog, Rochalog, Fassina Guarujá e Cortês.
Terminais de Containers em Cubatão: a 20km de Santos, na cidade de Cubatão, encontram-se os depots: Elog, Depotce e Cesari.
Terminais de Containers em São Vicente: Tecnitainer e MDLog.
RodoQuick Transportes, assim como a maioria das transportadoras de Santos, possui cadastro e relacionamento com os principais terminais da região, atendendo aos seus clientes onde quer que eles precisem. Em caso de necessidade, estamos à disposição!

Por Nicholas AndrewDa RodoQuick, em Santos - 11/04/2018 - Edição 031

quinta-feira, 3 de maio de 2018

TRANSPORTADORA DE SANTOS - O QUE É LAVAGEM?

Alguns tipos de mercadorias, que são transportadas em containers, liberam substâncias, odores ou até pó, e acabam por sujar a unidade.
No momento da devolução do container vazio ao terminal, um conferente realiza uma avaliação no interior do container para julgar se o mesmo precisa de uma limpeza antes de finalizar a devolução. Essa limpeza é o que chamamos de lavagem.
A lavagem é dividida em dois tipos: Lavagem simples e lavagem química.
Lavagem simples: Consiste na limpeza de sujeiras como poeira, restos de papel e fitas. A cobrança desse serviço gira em torno de R$120,00 a R$200,00, dependendo do terminal.
Lavagem química: consiste na higienização de um container que possua odores fortes (como peixe) ou manchas de produtos químicos (como óleo), por exemplo. Por ser um serviço mais complexo que a lavagem simples, o valor cobrado é de R$180,00 a R$400,00, variando entre os terminais.
A cobrança da lavagem é feita integralmente pelo terminal e repassada diretamente para a transportadora que realizou o transporte do container, que deve repassar ao importador. A lavagem precisa ser feita obrigatoriamente e a unidade vazia não poderá ser entregue até que o importador pague o serviço. Dessa modo, o terminal faz com que a transportadora fique com o caminhao parado, com o container em cima, sem poder utilizar o veículo para outros serviços e, consequentemente, sem gerar receita. Essa é uma forma que os terminais encontram para forçar a transportadora a pressionar o importador para que realize o pagamento do serviço o quanto antes, evitando desgaste direto terminal / importador.
Em poucos casos, quando a unidade não se encontra de fato suja e a cobrança tenha sido feita de maneira equivocada (ou até abusiva), é possível solicitar a revisão da cobrança e, por consequência, a isenção da taxa de lavagem.
Logo após tudo solucionado, a operação pode seguir normalmente e, então, é emitida a minuta de devolução, documento que comprova a devolução do container vazio, suas condições (limpeza e eventuais avarias) e o término da operação!
Nota: o comprovante de devolução do container (EIR – Equipment Interchange Receipt) é de extrema importância, pois registra a data da devolução, evitando cobranças posteriores de demurrage e detention por parte do armador.

Por Nicholas Andrew
Ed. 030